Notícias

Alunos participam de projeto para revitalizar córregos em Curitiba

14/11/2013

As atividades foram desenvolvidas pelos alunos dos colégios Elysio Vianna e da Polícia Militar

Nesta quinta-feira (14), alunos do curso técnico em Meio Ambiente do Colégio Elysio Vianna percorreram ruas no entorno do Córrego Areãozinho, no bairro Jardim das Américas, para distribuir folhetos sobre cuidados com o descarte do lixo, com o uso da rede de esgoto, limpeza da caixa-d’água e atitudes que ajudam o meio ambiente. Eles também plantaram árvores nativas na Praça Renato Zorze, próxima ao Córrego, e recolheram lixo jogado no local. A atividade integra o projeto “Sustentabilidade: da Escola ao Rio”, que em Curitiba, tem como centro das atenções os córregos Areãozinho e Vila Isabel e do qual participam a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), a Unilivre, a Secretaria de Estado da Educação, alunos e professores dos colégios Elysio Vianna e da Polícia Militar de Curitiba.

No Paraná, o trabalho envolve as três instituições e outros parceiros e escolas. No total, são 23 bacias hidrográficas abrangidas pelo projeto e em cada bacia uma escola participa. O objetivo é mobilizar a comunidade escolar para que os estudantes e docentes monitorem os rios e sejam multiplicadores do conceito de sustentabilidade junto aos seus colegas, familiares, vizinhos e conhecidos. Antes de iniciar as atividades em campo, alunos e professores das 23 escolas envolvidas participaram de palestras.

CONSULTORES E ESTUDANTES – O Areãozinho é afluente do Rio Belém, sua nascente está no Jardim das Américas e sua foz no Uberaba. A bacia hidrográfica do Córrego tem 6,3 km2 e está urbanizada em toda sua extensão. Como parte do projeto, estudantes desse colégio também já realizaram duas coletas de água no Areãozinho e fizeram a análise no laboratório da escola, com produtos fornecidos pela Sanepar. “Este trabalho estimula a importante colaboração dos moradores e está integrado a outros projetos desenvolvidos no local, área de abrangência do trabalho da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA), com a Sanepar. Aqui estão sendo vistoriadas ligações, sendo identificadas áreas com problemas e reabilitada a rede de esgoto”, explica o consultor da JICA, Takashi Dairaku. Outro consultor que também acompanhou o trabalho foi Kenji Uchida.

Para a professora Sheila Cristhina Rocha Ferreira, que acompanha o projeto no Colégio Elysio Vianna, os alunos se interessam pelo trabalho porque faz parte da realidade deles. “Quando estiverem formados, irão trabalhar com gestão ambiental, com gestão de projetos, com análises. Isso motiva, tem tudo a ver com o que eles estão aprendendo na escola. O trabalho é amplo e envolve outros professores em várias disciplinas. Além disso, promove a conscientização ambiental”, explica.

Um dos alunos participantes do projeto é Leonardo Branco Medici, que cursa o 2.º ano do curso técnico em Meio Ambiente. “Acho muito legal. Em geografia ambiental, vimos sobre o plantio de mudas. Hoje eu estou plantando uma árvore aqui. Já teve coleta e análise da água do rio, o que também estamos aprendendo. Para nós é bom e para o bairro também porque ele vai ficar visualmente mais bonito e o rio preservado”, diz Leonardo.

A tecnóloga em química ambiental, Juliana Gonçalves Brandani, acompanha, pela Sanepar, o projeto em todo o estado. “Nossa maior preocupação é dar aos alunos e aos professores a vivência de conhecer um rio que está próximo deles e estimulá-los a se comprometerem com a qualidade desse rio. A análise da água, por exemplo, é uma atividade prática que eles realizam no laboratório da escola e que dá a ideia de quanto esse rio precisa de ajuda para ser revitalizado. O projeto caminha junto do trabalho de revitalização de rios urbanos, também da Sanepar, e das vistorias realizadas pelas unidades regionais da empresa”, diz.

O morador Fábio Viana de Jesus, vizinho do Córrego Areãozinho, apoia a distribuição de panfletos e acha que a ação da escola pode ajudar a melhorar o local. “Está um pouco abandonado, com muito lixo jogado ali, principalmente na margem. Desse lixo, saem ratos enormes. Os alunos podem ajudar a conscientizar a população”, diz.

VILA ISABEL TAMBÉM – Na quarta-feira (13), foi a vez dos alunos do 2.º ano do ensino médio do Colégio da Polícia Militar, no bairro Vila Isabel. Eles atuaram junto ao Córrego Vila Isabel realizando o plantio de 22 mudas nativas dentro da própria escola. “Ali se encontram as nascentes do Córrego Vila Isabel. A escola nos pediu que também ajudássemos na revitalização dessas nascentes”, explica a gestora de Educação Socioambiental da Sanepar, Rosélis Augusta de Oliveira Presznhuk. Os alunos já fizeram coleta e análise da água do Vila Isabel e realizarão no final de novembro a distribuição de panfletos nas casas vizinhas ao Córrego.

O Vila Isabel também foi escolhido pela Sanepar em razão dos trabalhos que a instituição realiza ali. A bacia hidrográfica do Vila Isabel compreende uma área de 2,4 km2 e 1,8 km de extensão, abrange os bairros Vila Isabel, Santa Quitéria, Portão, Água Verde e Seminário, pertencendo à bacia hidrográfica do Rio Barigui. A maior parte da extensão do córrego está canalizada.

 

Galeria