Notícias

Com queda na vazão, Represa Passaúna deixa à mostra lixo e entulhos

08/05/2020

Serviço de limpeza da Prefeitura de Curitiba retira lixos e resíduos jogados irregularmente pela população

 

Os resíduos descartados indevidamente na Represa Passaúna saltam aos olhos com a estiagem severa que afeta o Paraná. Nesta quinta e sexta-feira (7 e 8), cerca de 20 pessoas do programa Amigo dos Rios, da Limpeza Pública, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba estão retirando placas de trânsito, carcaças de veículos, quadros de bicicletas e todo tipo de lixo, como plástico, garrafas, latinhas e pneus.

“Nosso planejamento é fazer a limpeza desde a ponte da Avenida Eduardo Sprada até a chaminé, no final do Passaúna, dentro do município de Curitiba”, explica o diretor de Limpeza Pública, Edélcio Marques dos Reis. Na área da represa e no parque, já foram retirados seis metros cúbicos de entulhos.

A Barragem do Passaúna faz parte do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba (SAIC), responsável pelo abastecimento de mais de 3,3 milhões de pessoas dos municípios de Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Colombo, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras e São José dos Pinhais.

A estiagem severa dos últimos 10 meses baixou o volume do Passaúna para 46,83% de sua capacidade Mesmo assim, o sistema mantém sua produção normal de 1.800 litros de água que vai sendo reservada ao longo do tempo. Já os sistemas isolados, que dependem diretamente de poços e rios, estão com abastecimento comprometido, o que levou a Sanepar a implantar rodízio em Curitiba e Região Metropolitana.

“Trabalhamos com sistemas de barragens na Região Metropolitana para compensar o fato de a capacidade hídrica nessa região ser menor do que a demanda da população”, afirma o gerente geral da Sanepar em Curitiba e Região Metropolitana, Antonio Carlos Gerardi.

Mas as barragens também dependem das chuvas para a recomposição de seus sistemas. Hoje, o SAIC está com 56,53% de vazão. “Por isso, é fundamental que as pessoas façam uso racional da água. A prioridade é alimentação e higiene pessoal. Lavagem de carros, calçadas e quintais deve ser adiada até que se restabeleça o regime de chuvas”, destaca.

 

 

Galeria