Notícias

Sanepar capacita moradores de áreas rurais na região de Guarapuava

20/03/2017

Moradores de cinco municípios tiveram treinamento sobre como gerenciar sistema de abastecimento de água rural

Moradores de comunidades rurais dos municípios de Pitanga, Manoel Ribas, Nova Tebas, Boa Ventura de São Roque e Santa Maria do Oeste tiveram treinamento com técnicos da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) nessa quinta-feira (16). O assunto do encontro, realizado em Pitanga, foi o gerenciamento dos sistemas de abastecimento de água das comunidades. Quarenta pessoas participaram.

A geóloga da Unidade de Serviço Hidrogeologia (USHG) Zuleika Valaski explicou aos participantes os procedimentos para a correta perfuração de poços e sua manutenção. O gestor socioambiental da Unidade de Serviço Educação Socioambiental (USEA) Ricardo Borges falou dos cuidados com a água, com o meio ambiente e com a saúde. O técnico em saneamento da USPO-SD, Márcio Silveira, falou sobre tratamento da água e ressaltou a importância de os moradores consumirem água tratada.

A engenheira civil da Unidade de Serviço Projetos e Obras Sudeste (USPO-SD) Rafaela Simionatto, ao apresentar o Programa Sanepar Rural, ressaltou que, por ser uma parceria entre Sanepar, municípios e comunidades rurais, todos precisam atuar para que o sistema funcione. “Manter o sistema, cuidar do poço, fazer o tratamento da água, manter o local limpo, são obrigações que competem aos moradores e que, em algumas comunidades, nem sempre são praticadas.”

O coordenador de Relações com a Comunidade (USPC) Roboão Senegaglia citou problemas que podem ocorrer nos sistemas rurais e como os moradores devem corrigi-los. “A comunidade tem que estar unida para tocar o sistema sozinha, cuidar da qualidade da água, unida na hora de administrar, de cobrar. Não pode ficar refém de uma ou duas pessoas que não colaboram. A maioria em assembleia sempre decide”, disse.

“Os moradores recebem treinamento para gerenciar o sistema sozinhos. Apenas não se deve mexer com a parte elétrica, sempre deve ser chamado um profissional especializado para lidar com problemas elétricos”, explicou o técnico mecânico da USPO-SD Luciano Foltran. Milton Oliveira, morador da comunidade São José do Paraíso, em Nova Tebas, concorda quanto aos cuidados. “Quando a comunidade se organiza, consegue planejar, funciona direito”, opinou.

DÚVIDAS E QUESTIONAMENTOS - Os participantes aproveitaram para fazer muitas perguntas e tirar dúvidas. Paulino Bellesn, de Santa Mariana, em Manoel Ribas, citou que no sistema da comunidade não é feita a medição do consumo. “Não tem medição, não se sabe quanto cada um consome. O pessoal da Sanepar deixou bem claro: isso precisa mudar, temos que colocar hidrômetro, tem que haver registro do consumo.”

José Ivo Wolski, morador da Vila Feliz, em Santa Maria do Oeste, aproveitou a ida a Pitanga para comprar um novo timer para a bomba do poço da comunidade. E aproveitou a presenta do técnico mecânico para tirar dúvidas sobre o uso do equipamento e o funcionamento da bomba. “Uso o timer pra controlar o horário de ligar e desligar a bomba do poço que abastece nossa comunidade”, contou Wolski.

A capacitação foi planejada após o Ministério Público de Campo Mourão entrar em contato com a Companhia, por meio de ofício, exigindo que os moradores das comunidades rurais dos cinco municípios citados passassem por uma reciclagem.

Galeria