Notícias

Sanepar faz vistorias ambientais em 600 imóveis de Nova Aurora

31/10/2017

Técnicos dão sequência a trabalho de regularização das ligações de esgoto

A Sanepar está realizando vistorias técnicas ambientais nos imóveis de Nova Aurora. O trabalho iniciou esta semana e pretende verificar se a interligação entre a rede interna e a rede coletora de esgotos da Sanepar foi realizada da maneira correta. O gerente regional Donizete Obara diz que a finalidade da vistoria é verificar se os moradores corrigiram as irregularidades detectadas em vistorias realizadas anteriormente. “Queremos melhorar o sistema de coleta e tratamento de esgoto e promover a educação ambiental com a conservação do meio ambiente”, diz o gerente.

Cerca de 600 imóveis comerciais e residenciais serão visitados até fevereiro de 2018. O serviço será realizado por empregados da Sanepar e por contratados da empresa Tecpress. Todos estarão uniformizados e com crachá. Enquanto um funcionário coloca corante nos pontos de água dentro da casa – banheiro, cozinha e área de serviço – o outro observa o escoamento dessa água para ver se a ligação de esgoto do imóvel está correta. Também é observado se existe caixa de gordura e se a água da chuva é direcionada para a galeria pluvial – como é o correto – ou se está indo para a rede de esgoto.

IRREGULARIDADES - As irregularidades mais comuns identificadas são a falta da caixa de gordura ou sem funcionalidade e a ligação de água de chuva diretamente na rede da Sanepar.

A caixa de gordura tem a função de coletar e reter os resíduos gordurosos do esgoto proveniente, principalmente, da cozinha. Existe uma norma técnica da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a NBR 8160, que padroniza a construção da caixa de gordura, sendo recomendada a caixa de 18 litros. O coordenador de Redes, engenheiro Eduardo Arrosi, lembra que a instalação da caixa de gordura é uma proteção para o próprio dono do imóvel porque evita o entupimento da rede e o retorno do esgoto para dentro de casa.

Já a ligação de água de chuva na rede pública provoca extravasamento de esgoto nas redes e prejudica o sistema de tratamento. A rede coletora não foi projetada para receber água da chuva.

Outras irregularidades encontradas são imóveis em que o esgoto estava ligado direto para a rua, e não na rede coletora, com fossa mal aterrada e com tubulação obstruída.

A Sanepar, quando encontra a situação irregular, informa a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Vigilância Sanitária.

Galeria