Notícias

Sanepar investe R$102 milhões na ETE Belém

03/10/2014

E a primeira unidade de biodigestão, para a geração de energia térmica, será construída ao lado da Estação

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) vai iniciar as obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Belém, a maior de Curitiba. A licitação já foi aprovada. O investimento da primeira etapa é da ordem de R$ 37 milhões e o investimento total, contemplando a segunda etapa, é de aproximadamente R$ 102 milhões.

As obras vão melhorar as condições operacionais da estação e, na segunda etapa, vão triplicar a capacidade de tratamento, hoje de 840 l/s, chegando a 2.520 l/s. A ampliação total deve estar concluída em dezembro de 2016.

Será implantado um novo sistema de gradeamento mecanizado para a retirada de detritos que não podem ingressar no sistema de tratamento de esgoto. Também será construída uma nova estação de bombeamento de esgoto bruto (estação elevatória) junto à estação de tratamento existente, que será reformada e receberá melhorias. A função destas elevatórias é "bombear" o esgoto que chega por tubulações subterrâneas para o sistema de tratamento que está em um nível superior em relação à tubulação. 

MELHORIAS – Para a melhoria do processo de tratamento de esgoto serão instaladas grades médias e finas mecanizadas e o sistema de limpeza adequado a elas. Os tanques de aeração existentes, que incorporam ar no esgoto bruto e se constituem numa das principais fases do tratamento do esgoto, passarão por readequações da vazão do esgoto. Esta readequação será necessária devido à construção de um terceiro decantador e junto a ele será executada uma elevatória de recirculação do lodo e retorno aos tanques de aeração. 

A utilização desta tecnologia garante mais qualidade ao sistema de tratamento. Deste novo decantador será implantado um canal de lançamento final do efluente (parte líquida do esgoto tratado). Os caminhões limpa-fossa que atendem Curitiba e Região Metropolitana devem dar destino correto ao esgoto coletado e um destes destinos é a Estação de Tratamento ETE Belém, que receberá melhorias no sistema de recebimento e descarga do esgoto destes caminhões, além de construção de uma casa de coletas de amostras para análise e controle do esgoto que chega à estação.

Em função de todas estas obras, serão realizados trabalhos de urbanização na estação, dentre eles a pavimentação das ruas internas.

ENERGIA TÉRMICA – A Sanepar também acaba de consolidar o primeiro passo para garantir sustentabilidade a mais um de seus processos, associando-se à Cattalini Bioenergia para criar a CS Bioenergia S.A, uma sociedade de propósito específico (SPE) que pretende, em agosto de 2015, passar a gerar 2,8 MW (megawatts) de energia térmica.

A principal matéria-prima será o lodo, resíduo produzido em larga escala nas estações de tratamento de esgoto. Para maior eficiência energética, ao lodo serão agregados outros resíduos sólidos orgânicos, de grandes geradores, como shoppings, supermercados e Ceasa.

“A criação da CS Bioenergia representa um marco e importante contribuição para o setor de saneamento do País. Uma empresa pública e uma privada se unem para transformar os resíduos em novo produto, de alto valor econômico agregado e, ainda, apresentar uma solução sustentável para o resíduo”, diz o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Péricles S. Weber. A CS Bioenergia foi criada com capital social de R$ 5,2 milhões. Destes, a Sanepar investiu 40%, e a Cattalini aportou 60%, sendo assim majoritária.

A unidade de biodigestão será construída ao lado da ETE Belém, a maior estação de tratamento de esgoto da Sanepar, instalada numa área de 15 mil m². A ETE está recebendo investimentos de R$ 102 milhões e deve fornecer, na primeira etapa, 110 toneladas de lodo de esgoto por dia. “Com isso cobrimos a demanda até 2022”, diz Weber.

 

 

 

 

 

Galeria