Notícias

Matelândia terá estação modular para tratamento de esgoto

21/05/2019

Unidade vai tratar até 30 litros por segundo, podendo ser ampliada quando necessário

Estão em andamento as obras de implantação de um novo modelo de estação de tratamento de esgoto na cidade de Matelândia. A opção por uma estrutura modular oferece a vantagem de ter uma implantação mais rápida e de permitir a ampliação da capacidade de tratamento de acordo com a necessidade do sistema. A obra deve ser concluída até setembro deste ano, com um custo de R$ 4 milhões.

Todo o processo de tratamento vai ser automatizado, podendo ser monitorado à distância pelo Centro de Controle Operacional (CCO). O tratamento por Tecnologia OxiRedoxi, que insufla oxigênio para reduzir a carga orgânica, promovido nesta estação, dispensa a adição de produtos químicos e atende aos critérios da legislação do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), que cuida dos recursos hídricos do país. A gerente regional da Sanepar, Rita Ivone Camana, destaca que “as novas unidades dos sistemas de esgoto têm sido projetadas para melhorar cada vez mais a qualidade do efluente tratado antes de ser lançado nos corpos receptores”.

Outras vantagens do modelo modular são: a redução do espaço físico para implantação do tratamento e a redução dos odores resultantes nos processos. “A Sanepar tem buscado sempre novas tecnologias que atendam as exigências ambientais e que tragam conforto e melhoria na qualidade ambiental para as pessoas, como com a redução da incidência de odores”, destaca a gerente regional Rita Ivone Camana.

O processo de tratamento desta unidade vai ser feito por meio de lodos ativados com aeração contínua, com vazão de tratamento de até 30 litros por segundo. A nova estação de tratamento de esgoto vai dispor de um sistema de tratamento preliminar, com dois módulos de gradeamento em série e duas câmaras paralelas e sistema de decantação do lodo. E vai ter, ainda, um desarenador de fundo cônico, dispositivo medidor de vazão com sensor ultrassônico. O reator aeróbio vai ser feito em aço inox com mais de 23 metros de diâmetro e 4,23 metros de altura. 

Quando esta unidade entrar em operação, a Sanepar vai investir nas reformas, melhorias e readequações da atual estação. Juntas as duas unidades vão garantir a segurança operacional do sistema de coleta e tratamento de esgoto da cidade. A estrutura do sistema conta com quase 53 mil metros de redes, que coletam o esgoto de 2.966 imóveis da cidade.

LODO – Nesta ETE modular o esgoto vai ser encaminhado por gravidade para um decantador secundário. Nesse meio físico e biológico vai ocorrer o adensamento, a decantação e o complemento das reações de digestão e desnitrificação do lodo. Na sequência, vai ser feito ainda o adensamento do lodo resultante no processo de tratamento. Depois de adensado, o lodo pode ser depositado nos leitos de secagem instalados ao lado da estação de tratamento. 

Galeria